Aumento previsto é “ataque frontal aos utilizadores de veículos elétricos”

0
Aumento previsto é “ataque frontal aos utilizadores de veículos elétricos”

A Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) acaba de emitir uma posição formal sobre o aumento das tarifas da Entidade Gestora da Mobilidade Elétrica (EGME), a Mobi.e.

A UVE repudia o agravamento anunciado e previsto (ver notícia aqui) e pede a sua rápida revisão, a bem da mobilidade elétrica.

Para a UVE, “este aumento das tarifas da EGME de 79% divulgado pela ERSE para vigorarem em 2022, a pouco mais de seis meses de terem entrado em vigor, é anunciado contra todas as expectativas criadas pelas diversas reuniões que a UVE manteve nas últimas semanas com as entidades envolvidas no desenvolvimento da Mobilidade Elétrica em Portugal”.

Aumento contra todas as expectativas

Este aumento das tarifas da EGME de 79% divulgado pela ERSE para vigorarem em 2022, a pouco mais de seis meses de terem entrado em vigor, é anunciado contra todas as expectativas criadas pelas diversas reuniões que a UVE manteve nas últimas semanas com as entidades envolvidas no desenvolvimento da Mobilidade Elétrica em Portugal.

A UVE recorda que, à data, atravessamos um período de forte crescimento da rede pública de carregamento, “acrescido de um enorme aumento das vendas de veículos elétricos em Portugal, com o consequente impacto positivo na receita da Mobi.e, fruto de um expectável forte aumento do número de carregamentos (estimativas apontam para uma média de 300.000 carregamentos/mês em 2022)”.

A associação diz que todas as instituições contactadas por si se mostraram “totalmente em desacordo com o aumento anunciado pela ERSE, desde o próprio Parecer desfavorável do Conselho Tarifário da ERSE, que alerta para um desincentivo e estagnação do desenvolvimento da Mobilidade Elétrica em Portugal com esta ação, assim como da própria Mobi.e – entidade que seria a beneficiária do referido aumento -, da Associação Portuguesa de Operadores e Comercializadores de Mobilidade Elétrica (APOCME), da generalidade dos Operadores de Postos de Carregamento (OPC) e Comercializadores de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME), da esmagadora maioria dos utilizadores de veículos elétricos, e do mais elementar bom senso”.

Atendendo a que o atual momento de expansão da mobilidade elétrica “exige que possamos alcançar as metas na eletrificação dos transportes terrestres e na descarbonização da economia a que, como país, Portugal se comprometeu, a Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) repudia o aumento das tarifas da EGME, considerando-as um ataque frontal aos utilizadores de veículos elétricos e ao modelo adotado por Portugal”.

Mediante isto, a UVE exige uma revisão imediata deste aumento, “no limite com a manutenção das tarifas atualmente em vigor, relembrando que mesmo estas continuamos a considerar desajustadas, quer na forma, quer no tempo”.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of