A mais recente vaga do “Radar da Reciclagem”, barómetro sobre a reciclagem promovido pela Sociedade Ponto Verde, observou que no período em análise (de 21 de outubro e 4 de novembro), 14% da população portuguesa assumiu ainda não ter hábitos de reciclagem.

A distância de casa ao ecoponto é apontada por 60% dos portugueses que não reciclam como uma das principais barreiras no que diz respeito à separação de embalagens, sendo que, daqueles, 71% afirma que faria a separação destes resíduos caso tivessem à sua disposição um ecoponto a menos de 50 metros da habitação.

O que fazer para aumentar reciclagem?

Segundo este levantamento, para estes indivíduos, a oferta de incentivos (69%) que podem ser monetários, fiscais ou na forma de vales/descontos, a realização de melhorias nos equipamentos de separação de resíduos no exterior das habitações (50%) e uma maior credibilidade no processo de reciclagem (43%) são fatores a considerar para modificar os seus atuais comportamentos de reciclagem e passarem a contribuir para um futuro mais sustentável.

Foto: Oleg Magni/Pexels

Cerca de 40% dos portugueses refere ainda ter dúvidas sobre a reciclagem.

Em termos globais, 65% da população considera que reciclar é fácil, embora uma análise mais profunda às conclusões desta terceira vaga do “Radar da Reciclagem” demonstre que 40% dos portugueses não estão ainda completamente esclarecidos sobre esta temática. É junto do género feminino, da faixa etária dos 45/64 anos, na região do Litoral Centro e entre aqueles que não têm hábitos de separação que se encontram as maiores percentagens de indivíduos que afirmam ainda ter dúvidas.

A distinção do ecoponto correto para a colocação das várias embalagens é a maior dúvida em relação à reciclagem, tendo sido mencionada por 62% dos indivíduos que se dizem não totalmente esclarecidos – em particular são do género feminino, em idades entre os 25/34 anos e residentes na Grande Lisboa.

Em contrapartida, é entre indivíduos do género masculino, entre as faixas etárias mais jovens (15/44 anos) e os residentes na região Sul que se encontra a maior percentagem de indivíduos que se dizem totalmente esclarecidos sobre a reciclagem.

“Há ainda um caminho a percorrer”, salienta Ponto Verde
Para Ana Isabel Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde, “estes resultados levam-nos a concluir que há ainda um caminho a percorrer para continuarmos a assistir à mudança de comportamentos que levem a um maior aumento nas taxas de separação e reciclagem de embalagens em Portugal”.
“Nessa medida, é essencial que se continue a atuar em rede com todos os agentes económicos e em grande proximidade nas comunidades, a criar novas ideias e modelos que incentivem a reciclagem de embalagens e a desenvolver campanhas de comunicação que continuem a sensibilizar e a esclarecer as dúvidas que ainda persistem. É com o empenho e a mobilização de todos em torno da circularidade que continuaremos a construir um mundo ainda mais sustentável”, conclui a CEO da Sociedade Ponto Verde.
Artigo anteriorIVDP está empenhado em conseguir um Douro mais sustentável
Próximo artigoAcordo de Paris: qual o balanço, seis anos depois?

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of