Foi inaugurado em Itália um inovador circuito que pretende ser palco para testes reais de carregamento de veículos elétricos por indução dinâmica.
Ou seja, carregamento de automóveis elétricos quando estes circulam nesse percurso.

O “Arena Del Futuro” é um circuito contíguo à A35 BreBeMi (“Brescia-Bergamo-Milano”) – troço de autoestrada que assegura a ligação direta entre Brescia e Milão. Mais concretamente, o circuito, de 1.050 metros de comprimento, está localizado numa área privada da autoestrada italiana A35, perto da saída Chiari Oeste e é alimentado por uma potência elétrica de 1 MW.

O circuito “Arena del Futuro” foi considerado pela revista “Time” como uma das 100 invenções mais importantes de 2021.

Este “laboratório em asfalto” foi feito em colaboração com o Grupo Stellantis e outros parceiros internacionais, instituições públicas e universidades: Autostrada A35 Brebemi‐Aleatica, ABB, Electreon, FIAMM Energy Technology, IVECO, IVECO Bus, Mapei, Pizzarotti, Politecnico di Milano, Prysmian, Stellantis, TIM, Università Roma Tre e Università di Parma.

O seu objetivo é testar, no terreno, um carregamento elétrico revolucionário por indução dinâmica.

“Depois de terem sido identificadas as melhores tecnologias de eletrificação rodoviária e de se ter preparado o circuito, inicia-se agora a terceira fase do projeto, centrada na experimentação da tecnologia adotada”, explica a Stellantis.

Os primeiros veículos – um novo Fiat 500 e um autocarro Iveco E-WAY – preparados para testar o sistema, “já percorreram inúmeros quilómetros, com resultados mais do que encorajadores”, refere o grupo construtor que sublinha que o objetivo é demonstrar como o sistema DWPT (Dynamic Wireless Power Transfer) – a principal característica do circuito “Arena del Futuro” – se perfila como uma das melhores tecnologias candidatas a responder de imediato e de forma concreta às necessidades de descarbonização e de sustentabilidade ambiental no setor da mobilidade.

Como funciona o carregamento?

Utilizando a DWPT, os veículos elétricos podem ser carregados “sem fios” ao serem conduzidos em pistas equipadas com cablagens elétricas, através de um sistema inovador de curvas instalado sob o alcatrão.

Esta tecnologia pode ser adaptada para todos os veículos equipados com um “recetor” especial que transfere a energia procedente da infraestrutura rodoviária para a bateria, com o objetivo de gerar um sistema de mobilidade “zero emissões”.

Ao mesmo tempo, a conectividade avançada das tecnologias IoT (Internet das Coisas) garantirá a máxima segurança rodoviária, ao possibilitar um diálogo constante entre a autoestrada e os veículos que nela viajam. “A superfície da estrada será também otimizada para a tornar mais durável sem alterar a eficiência e eficácia do carregamento indutivo”, explica a Stellantis.

“Esta é uma solução de vanguarda que dá uma resposta concreta aos desafios de autonomia e de carregamento que preocupam os clientes: Estamos a acelerar o nosso papel na definição da mobilidade do futuro e, neste sentido, a tecnologia DWPT parece-nos estar de acordo com o nosso desejo de oferecer uma resposta concreta às exigências dos clientes. Carregar os veículos enquanto estão em movimento oferece vantagens claras em termos de tempos de carregamento e de dimensão das suas baterias” – Anne-Lise Richard, Head of the Global e-Mobility Business Unit da Stellantis

Artigo anteriorAutoconsumo: falta de informação é maior barreira à adesão
Próximo artigoHonda pensa juntar-se a outra marca para desenvolver elétricos

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of