O ícone Lancia Delta Integrale está de volta como um carro elétrico no WRX World Rallycross Championship. A equipa GCK do piloto francês de rallycross Guerlain Chicherit desenvolveu um Lancia Delta Evo-e, prevendo entrar com o modelo no WRX em 2022, o Campeonato Mundial de Rallycross da FIA.

Isto é relevante, pois, como este é um projeto GCK, o Delta Integrale para o WRX não é um precursor oficial de um modelo oficial Lancia. Tal veículo foi antes anunciado pelo CEO da Lancia, Luca Napolitano, em outubro. “Ele regressará e será um verdadeiro Delta – um carro empolgante, um manifesto de progresso e tecnologia, e obviamente será elétrico”, disse Napolitano.

Contudo, este exemplar de ralis mostra bem o capital que a Lancia tem desaproveitado – até agora – com o historial que possui e atendendo ao elã que muitos modelos seus têm – e o Delta Integrale é uma das suas bandeiras maiores.

Lancia Delta Evo-e

Com este veículo – na época com motor de combustão interna – a Lancia conquistou o título de construtores cinco vezes e obteve três títulos de pilotos no Campeonato Mundial de Rally entre 1988 e 1992.

“É o carro de rally por excelência – sem dúvida o mais incrível da sua época – e aquele que permanece extremamente popular até hoje”, refere Chicherit.

A curta duração das corridas permitirá que a capacidade de armazenamento das baterias seja mais do que suficiente, algo salientado por Chicherit: “O formato da corrida prevista presta-se perfeitamente para entregar um dos espetáculos desportivos mais emocionantes com veículos elétricos até agora, e escolhemos o Lancia Delta Integrale porque é um veículo que nos fez sonhar”.

No WRX (World Rallycross) é utilizada uma cadeia de tração elétrica com 500 kW (cerca de 680 cv) de potência, fornecido pela Kreisel Electric. Os dois motores debitarão ainda 880 Nm de binário.

O FIA World Rallycross Championship 2022 terá 14 carros na grelha para disputar as provas.

Artigo anteriorFord E-Transit 2022 saiu da linha de montagem e entra em fase de testes
Próximo artigoEuropa quer reduzir dependência das importações de lítio e cobalto

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of