“Compromisso com fim da venda de veículos movidos a combustíveis fósseis é vital”, diz Jonas Otterheim

0
“Compromisso com fim da venda de veículos movidos a combustíveis fósseis é vital”, diz Jonas Otterheim
Jonas Otterheim - Head of Climate Action da Volvo Cars

Jonas Otterheim, responsável pela Ação Climática da Volvo Cars, foi um dos elementos do construtor sueco que marcou presença na cimeira do clima, COP26.

Em entrevista ao Welectric, Jonas Otterheim, faz um balanço da conferência e explica em que se traduziu a presença da Volvo na COP26.

Welectric: Como acompanhou o trabalho da COP26?
Jonas Otterheim (JO): Com muitos comentadores a declarar a COP26 como a última grande hipótese de ação para prevenir a catástrofe climática, e com o transporte rodoviário a ser responsável por 10% das emissões de carbono, a indústria automóvel precisa agir. Na Volvo Cars, a ação climática agora é tão importante quanto a segurança sempre foi para nós, por isso foi muito importante participarmos na COP26.

W: Qual foi o envolvimento da Volvo no trabalho da COP26?
JO: A Volvo Cars inscreveu-se na Declaração de Glasgow sobre veículos no evento. Acreditamos que a Declaração foi muito importante para enviar um sinal claro de que um grande número de agentes económicos está comprometido com as vendas de veículos com emissões 100% zero nos principais mercados até 2035 e globalmente até 2040. Essas são metas científicas para garantir que o mundo permanece no caminho certo para alcançar emissões líquidas zero até ao ano 2050.

Além dos construtores de automóveis, a Declaração foi assinada por mais de 100 representantes de governos nacionais e regionais, grandes frotistas e investidores. Fomos um dos seis fabricantes automóveis a apoiá-lo. Acreditamos que a indústria automóvel tem a responsabilidade moral de agir agora. Um compromisso com datas finais firmes para a venda de veículos movidos a combustíveis fósseis é vital se a indústria de transporte rodoviário – que responde por 10% das emissões globais de CO2 – quiser fazer a sua parte para manter os aumentos de temperatura global abaixo de 1,5º C.

Hakan Samuelsson, Presidente e CEO of Volvo Cars, marcou presença na COP26

O nosso CEO, Hakan Samuelsson, e especialistas da nossa equipa de sustentabilidade, participaram numa série de painéis de discussão importantes. Também demonstramos o nosso compromisso com a descarbonização além das emissões ao nível do tubo de escape, com o lançamento de um preço interno de carbono de 1.000 SEK [cerca de 100 euros, n.d.r.] para cada tonelada de emissão de carbono em todo o nosso negócio, em linha com a nossa ambição de nos tornarmos uma empresa neutra para o clima até 2040. E embora os carros totalmente elétricos sejam o nosso futuro, não podemos oferecer todos os benefícios potenciais para o clima sozinhos.

“Acreditamos que a indústria automóvel tem a responsabilidade moral de agir agora”, diz Jonas Otterheim.

É por isso que também usamos a COP26 para convocar líderes mundiais e fornecedores de energia para aumentar significativamente os investimentos em energia limpa, conforme demonstrado por um relatório recém-publicado sobre as emissões de carbono do ciclo de vida geral do nosso mais recente modelo elétrico, o C40 Recharge, que mostra as enormes reduções potenciais de CO2 se um veículo for construído e carregado com fontes de energia limpa.

W: O acordo assinado por diferentes construtores de automóveis durante a COP26 é positivo, mas nem todas as marcas assinaram o documento. Qual é a razão e como analisa isso?
JO: Não podemos falar pelos outros construtores, mas o nosso próprio plano é ser uma marca totalmente elétrica em todos os mercados até 2030 – cinco anos antes da meta da declaração para os principais mercados, incluindo a União Europeia, e dez anos à frente da meta para todos os mercados globalmente.

Esperamos que mais partes interessadas da indústria, incluindo fabricantes e fornecedores, se juntem a nós nos próximos meses e anos como forma de apoiarem a Declaração. Acelerar os planos para a introdução de veículos com zero emissão no tubo de escape é algo acertado a fazer, dada a emergência climática que enfrentamos. Mas também faz sentido para os negócios. Como o nosso CEO, Hakan Samuelsson, deixou claro no palco da COP26, a nossa rápida eletrificação está apenas a tornar a nossa empresa mais forte. Os consumidores querem os nossos produtos eletrificados. A infraestrutura de carregamento é uma preocupação especial de muitos dos nossos colegas. No entanto, acreditamos que a nossa indústria precisa dar um rumo claro aos governos, tanto quanto os governos precisam dar-nos uma direção clara.

“Os consumidores querem os nossos produtos eletrificados”, salienta Jonas Otterheim.

W: A Volvo está empenhada em se tornar uma marca 100% elétrica. Quais são os próximos passos que nos pode anunciar que a Volvo dará na sua descarbonização?
JO: O nosso objetivo de ser uma empresa neutra para o clima até 2040 significa tomar medidas concretas para reduzir as nossas emissões de carbono além do tubo de escape. Isso inclui ser o primeiro fabricante de automóveis a anunciar um estrito esquema interno de fixação de preço de carbono em todas as áreas do nosso negócio. Isso ajudará a concentrar as nossas futuras decisões de negócios para garantir que tenham o menor impacto possível sobre o carbono. Inclui ainda colaborações com parceiros inovadores para fornecer reduções de emissão de carbono em todas as áreas do nosso negócio. Por exemplo, estamos a trabalhar com a SSAB para criar aço livre de fósseis para a indústria automóvel e recentemente assinamos uma joint venture com a Northvolt para o produzir. Trabalhando com a Northvolt e fabricando baterias perto das suas instalações europeias, podemos reduzir a nossa futura pegada ambiental ao nível do fornecimento e produção da bateria. Essas e outras iniciativas contribuirão para o nosso objetivo de redução de 40% de CO2 por veículo entre 2018 e 2025.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of