A Renault está a trabalhar no projeto de tornar a portuguesa ilha de Porto Santo sustentável e a Grécia avança também com projetos semelhantes com a colaboração de marcas de automóveis. O Grupo Volkswagen está a participar num projeto com vista a transformar a ilha grega de Astipalea (ou Astypalea) numa zona virada para a sustentabilidade e mobilidade elétrica e a Citroën está, igualmente, a investir na ilha grega de Halki (ou Chalki) e a participar num projeto pioneiro, que visa transformar a ilha num espaço de mobilidade sustentável e sem emissões de gases com efeito de estufa.

Halki é mais uma ilha – e mais uma ilha grega – a funcionar como um “laboratório”, onde a transição energética está a ser implementada graças a vários parceiros, como o Grupo Syngelidis, importador grego da Citroën, a Vinci e a Akuo Grécia, entre outros.

“Temos o prazer de colaborar com a Ilha de Halki neste projeto excecional. Esta colaboração está totalmente em consonância com o espírito da Citroën, uma marca inovadora e arrojada, próxima das pessoas no seu dia-a-dia e na sua mobilidade. Estamos empenhados em tornar a eletrificação acessível a todos e estamos muito orgulhosos por contribuir para a transformação de Halki numa ilha autónoma, conectada e sustentável”, afirma Vincent Cobée, CEO da Citroën.

Após a assinatura do memorando de entendimento entre o Governo da Grécia, a Citroën e o grupo Syngelidis, a Vinci e a Akuo Grécia, iniciou-se de imediato o processo de transformação da ilha de Halki numa economia de zero emissões.

A Citroën e o grupo Syngelidis estão a tomar todas as medidas para disponibilizar veículos elétricos que apenas funcionarão a partir de energia elétrica de fonte renovável. O objetivo é permitir que todos os habitantes e empresas da ilha beneficiem deste progresso.

“Estamos particularmente satisfeitos e orgulhosos do contributo do grupo Syngelidis e da Citroën para com este importante projeto que está a decorrer na ilha de Halki. Em consonância com as nossas metas de redução da pegada climática, definidas no âmbito da iniciativa ‘Halki Green – Smart Island’, apoiamos plenamente a ambição do Governo Grego, da Embaixada de França e da comunidade empresarial francesa, pelo que estamos empenhados em promover a mobilidade elétrica sem emissões”, afirmou Polychronis Syngelidis, Presidente do grupo Syngelidis.

Nesta fase inicial, a Citroën disponibilizou uma frota de seis veículos elétricos às autoridades públicas da ilha de Halki, nomeadamente dois AMI para a polícia e guarda costeira, dois ë-C4 e um ë-Spacetourer para a Câmara Municipal de Halki.

Adicionalmente, um ë-Jumpy será entregue à Comunidade de Energia de Halki. Para duas destas viaturas haverá um leasing gratuito de 48 meses, após o qual a Citroën irá comprá-las e doá-las ao município de Halki.

“Neste momento este projeto irá mudar a vida de apenas algumas pessoas, mas isto é apenas o começo. Ao ajudar Halki a tornar-se numa economia ‘verde’ e sem emissões, a Citroën está a preparar o caminho para um futuro melhor, demonstrando que a eletrificação é o caminho a seguir”, acrescenta Vincent Cobée.

A eletrificação da frota presente na ilha está a evoluir, havendo o objetivo de substituir todos os veículos térmicos tradicionais por veículos elétricos.

“Graças a um plano de desenvolvimento para uma mobilidade inteligente e neutra em termos climáticos, a Citroën irá proporcionar aos residentes e empresas da ilha a oportunidade de adquirir veículos elétricos de emissões zero com condições acessíveis, através de um leque de opções de mobilidade sem emissões de carbono, que vão desde quadriciclos ligeiros a automóveis de passageiros e veículos comerciais ligeiros, com utilização gratuita de todas as tecnologias inovadoras e aplicações conectadas que os integram. Os habitantes da ilha irão beneficiar de uma melhoria significativa da sua qualidade de vida, fruto do menor ruído, da melhor qualidade do ar e de um ambiente mais limpo, associados a custos energéticos reduzidos”, refere a marca.

Leia também:

Ilha grega fica a funcionar a sol e vento. Motivo: austeridade elétrica

Artigo anteriorValongo alarga rede de recolha seletiva porta-a-porta
Próximo artigoCoopérnico assume coordenação do projeto Matrycs em Portugal

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of