O Prémio Gulbenkian para a Humanidade distingue pessoas e/ou organizações de todo o mundo cujas contribuições para a mitigação e adaptação às alterações climáticas se destaquem pela sua originalidade, inovação e impacto.

O Prémio é atribuído anualmente e o valor de um milhão de euros irá este ano para seis projetos no Senegal e nos Camarões, duas nações subsarianas.

O Prémio Gulbenkian para a Humanidade vai financiar projetos em cinco cidades no Senegal (para o fornecimento de água potável) e numa cidade nos Camarões (para o desenvolvimento de soluções de eficiência energética).

Global Covenant of Mayors for Climate & Energy

Estes projetos serão apoiados no contexto da delegação africana do “Global Covenant of Mayors for Climate & Energy” (GCoM9, uma aliança global de 10.600 cidades no mundo e de governos locais de 140 países, incluindo Portugal.

O Prémio Gulbenkian para a Humanidade será entregue no dia 9 de novembro na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), que se realiza em Glasgow, na Escócia.

O “Global Covenant of Mayors for Climate & Energy” nasceu da fusão do “Covenant of Mayors da União Europeia” e do “Compact of Mayors”, duas iniciativas criadas para promover a transição das cidades para uma economia de baixo carbono e resiliente às alterações climáticas.

O apoio aos projetos selecionados será realizado em estreita colaboração com o “Pacto de Autarcas Regional na África Subsariana”, a “Cooperação Internacional Alemã” e o “Banco Europeu de Investimento”.

Frans Timmermans e Michael Bloomberg

O GCoM é copresidido por Frans Timmermans, vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia para o Pacto Ecológico Europeu, e por Michael Bloomberg, antigo presidente de Câmara de Nova Iorque e enviado especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para Ambições e Soluções Climáticas.

O Prémio Gulbenkian para a Humanidade foi atribuído pela primeira vez, em 2020, à jovem ativista sueca Greta Thunberg, que decidiu distribuir o montante por vários projetos ambientais e humanitários.

O júri do Prémio refere que a atribuição do Prémio Gulbenkian para a Humanidade “não podia ser mais oportuna e apropriada, já que mais de metade da população mundial vive em áreas urbanas, sendo as cidades responsáveis por mais de 70% das emissões globais de CO2.”

Salientando “o papel determinante dos municípios para lutar eficazmente contra as mudanças climáticas e o alcance global desta organização”, o júri frisou o facto de o montante do Prémio “se destinar a apoiar a sua ação concreta na criação de cidades descarbonizadas e resilientes, com um foco especial em dois projetos em África”.

Artigo anteriorNestlé vai distribuir borras de café para consumidores usarem em plantas
Próximo artigoPoupança energética nos edifícios residenciais portugueses na cauda da Europa

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of