Investigadores da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian estão a colocar em prática o projeto LeguCON que consiste na criação de um consórcio, pioneiro em Portugal, que tem como objetivo promover o aumento da produção de leguminosas no país.

“Os investigadores do projeto defendem que a produção nacional deve ser priorizada e que os agricultores precisam de estímulos para conseguirem arrancar com novas culturas e adotar novas metodologias que até agora não desenvolvem nas suas áreas de produção. Para além disto, acreditam que através da introdução de leguminosas é promovida uma agricultura sustentável”, refere a Fundação Gulbenkian, que apoia o projeto.

Menos água, menos combustíveis e menos químicos

Isto porque o cultivo das leguminosas envolve um gasto menor de água, de combustíveis fósseis e de produtos agroquímicos. As leguminosas têm ainda um impacto significativo na redução da pegada de carbono pela sua capacidade de fixar azoto, reduzindo o uso de fertilizantes de azoto sintéticos.

O projeto tem ainda uma relevante envolvência social, dado que no centro de reabilitação do CASCI (Centro de Ação Social do Concelho de Ílhavo), que inclui 42 pessoas com deficiência e incapacidade e onde se produzem diversos produtos da área da agropecuária, carpintaria, doçaria, olaria e serviços para comercialização, a LeguCon impulsionou a unidade produtiva através da introdução de um novo produto – o grão de bico.

Esta colaboração entre a Escola Superior de Biotecnologia e o CASCI tem como objetivo acrescido a divulgação da empregabilidade de pessoas com deficiência na comunidade, contribuindo para “a eliminação progressiva dos estereótipos associados a esta população”.

Três metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Este projeto contribui para três metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU: Meta 2.4 (até 2030, garantir sistemas sustentáveis de produção de alimentos e implementar práticas agrícolas resilientes, que aumentem a produtividade e a produção, que ajudem a manter os ecossistemas, que fortaleçam a capacidade de adaptação às alterações climáticas), Meta 8.2 (atingir níveis mais elevados de produtividade das economias através da diversificação, modernização tecnológica e inovação) e Meta 12.4 (alcançar a gestão ambientalmente saudável dos produtos químicos e reduzir significativamente a sua libertação para o ar, água e solo, para minimizar os seus impactos negativos sobre a saúde humana e o meio ambiente).

Artigo anteriorE-Redes melhora eficiência energética com luminárias LED em Marco de Canaveses
Próximo artigoA história de uma “vitória improvável” da equipa Prio Renault Eco Team

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of