A Ford anunciou um novo Programa de Investigação de Veículos Autónomos concebido para ajudar as empresas na Europa a compreender como os veículos autónomos podem beneficiar as suas operações e como é que os utilizadores da estrada reagiriam perante uma viatura autónoma, ou seja, sem um condutor a bordo.

Para esta experiência, a Ford adaptou um seu furgão de entregas, a Transit, para parecer um veículo autónomo, ainda que, na realidade, não o seja.

Passando a explicar: o Ford Transit especialmente adaptado possui sensores que imitam o aspeto de um veículo equipado com tecnologia de condução autónoma, contando com um “Banco de Automóvel Humano” para controlar a viatura.

Simulacro para testar veículo autónomo

Isto permite que a bordo, embora oculto, siga um condutor experiente para o controlo do Transit, dando a impressão aos restantes condutores e utilizadores da via que não há ninguém ao volante.

Ou seja, por fora o Ford Transit parece uma viatura autónoma, mas no seu interior há um motorista ao volante.

“Numa altura em que planeamos colocar veículos autónomos nas estradas, é importante que nos concentremos, não só em viabilizar a tecnologia, como também em viabilizar os negócios dos nossos clientes”, disse Richard Balch, Diretor de Veículos Autónomos e Mobilidade, da Ford Europa.

Projeto desenvolvido com Hermes

Neste projeto da Ford, que está a ser desenvolvido juntamente com um dos maiores especialistas em entregas ao consumidor do Reino Unido, a Hermes, o condutor irá desempenhar um papel inteiramente passivo, conduzindo, simplesmente, a viatura.

Os transportadores a pé que apoiam a carrinha de entregas estão equipados com uma aplicação de smartphone que lhes permite mandar parar o veículo e desbloquear remotamente o portão de carga, depois do mesmo ter estacionado em segurança à beira da estrada.

Uma vez no seu interior, avisos de voz e ecrãs digitais direcionam o estafeta para o respetivo cacifo que contém as encomendas a serem entregues.

A compreensão e conceção da forma como os seres humanos irão interagir com o veículo irá assegurar que os processos comerciais possam realizar-se em segurança, sem a presença física de um condutor.

Com a duração de duas semanas, este projeto de investigação realizado com a Hermes baseia-se no sucesso dos testes de “entregas de último quilómetro” da Ford em Londres, em que uma equipa de correios pedestres recolhe encomendas de uma carrinha de entregas e cumpre a última etapa da entrega a pé, resultando em processos rápidos, sustentáveis e eficientes nas cidades.

Os veículos de investigação permitirão à Hermes e a outras empresas começar a conceber a forma como as suas equipas poderiam trabalhar com veículos autónomos.

Para a Hermes, este projeto de pesquisa incluiu o desenvolvimento de uma aplicação que permite aos transportadores pedestres acederem à carrinha para a recolha das encomendas, função que seria, normalmente, desempenhada pelo condutor.

“Estamos entusiasmados por colaborar com a Ford neste teste-piloto que tem tudo a ver com a compreensão do potencial dos veículos autónomos e se eles têm um papel a desempenhar, a longo prazo, na área de negócio das entregas”, disse Lynsey Aston, Chefe de Produto, Inovação e Onboarding.

Aposta na condução autónoma

Os investigadores da Ford estão já a estudar o modo como os veículos autónomos se irão integrar, perfeitamente, na nossa vida quotidiana, incluindo-se no processo o desenvolvimento de uma linguagem visual baseada em luz que permita transmitir a outros condutores, peões e ciclistas o que os veículos autónomos irão fazer de seguida.

A Ford tem vindo a testar a tecnologia de condução autónoma nas principais cidades dos EUA e planeia investir cerca de 7 mil milhões de dólares em veículos autónomos durante 10 anos, até 2025, dos quais 5 mil milhões já a partir de 2021, como parte das iniciativas Ford Mobility.

Em colaboração com a Argo AI, parceiro tecnológico de condução autónoma, a Ford tem a circular, diariamente, veículos de teste autónomos, divididos por seis cidades dos EUA. No ano passado, o sistema de condução autónoma intuitivo da Argo AI permitiu a entrega autónoma de produtos frescos e de material escolar através de um projeto-piloto de bens de caridade em Miami, no estado norte-americano da Flórida.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of