O MOre é um dos mais recentes projetos assumidos pela conhecida marca de moda portuguesa MO. O grupo acredita que “partilhar o que se está a fazer também contribui para a consciência global e para nos inspirarmos uns nos outros”. E foi exatamente essa crença que impulsionou a criação desta iniciativa.

Através do MOre “pretende-se partilhar com todos os clientes, de uma forma regular e transparente, todas as ações e compromissos que a MO desenvolverá no âmbito da sustentabilidade”. Neste contexto enquadra-se, por exemplo, a nova linha de produtos feita à base de algodão orgânico, cultivado com fertilizantes naturais.

Apesar de não estarmos a falar dos primeiros artigos sustentáveis da MO, esta é a definitivamente a linha “amiga do planeta” mais abrangente de todas. Até agora a marca só tinha produzido coleções cápsula sustentáveis pensadas para clientes “específicos”, como foi a de maternidade.

Desta vez vai-nos ser apresentada “uma linha sustentável para toda a família, com peças para adulto, criança e bebé”, avança a MO. Para que os clientes identifiquem mais facilmente os produtos sustentáveis a marca portuguesa irá recorrer a uma etiqueta especial: a etiqueta MOre.

Se quiser saber mais sobre esta nova coleção, ou sobre as políticas de sustentabilidade e principais compromissos do grupo, basta aceder à landing page da MO. A marca também divulgará estas informações, de forma regular, através das suas redes sociais e newsletters.

Há metas a atingir até 2025

Citando as palavras da própria empresa, “a MO está comprometida com o propósito de fazer mais por uma moda consciente da sua pegada”. Esperando assim “contribuir para um mundo mais sustentável para todas as famílias e gerações vindouras”.

Nesse sentido a MO está empenhada em conseguir que, até 2025, pelo menos 30% de toda a sua coleção seja sustentável. Ou seja, que uma significativa parte das suas peças sejam produzidas com, no mínimo, 50% de matéria-prima reciclada e orgânica. Matéria-prima essa que, assegura a MO, “é proveniente de fontes sustentáveis, certificadas por entidades de referência a fornecedores de primeira e segunda linha”.

Há, no entanto, que sublinhar que as mudanças não irão abranger somente os produtos produzidos. “A par do produto, trabalhamos também a sustentabilidade em toda a cadeira de valor da MO, desde as suas lojas passando pelos escritórios”, refere Francisco Sousa Pimentel.

Relativamente ao futuro, o administrador da MO garante que “temos um plano traçado, e são várias as iniciativas que vamos partilhar com os nossos clientes ao longo dos próximos tempos”. Por outras palavras “vamos fazer parte ativa desta mudança por um futuro mais sustentável, com confiança de que estamos a tomar as decisões certas rumo a tempos mais equilibrados, transparentes e harmoniosos”.

Prosseguindo com a melhoria contínua da sua pegada ecológica, o grupo prevê reduzir as suas emissões de gases com efeitos de estufa em 69% até 2030. Torna-se assim evidente que “a MO está ciente de que o seu negócio deve ser conduzido de maneira sustentável a nível económico, social e ambiental”, remata Francisco Sousa Pimentel.

Menos 176 toneladas de plástico

Além de todas as mudanças que a MO promete vir a implementar nos próximos anos, há todo um percurso feito até agora que merece igual referência. Sabia, por exemplo, que a MO é responsável por uma diminuição de 176 toneladas de plástico em Portugal em 2020? Isto face à quantidade registada no ano anterior.

Um feito conseguido muito graças ao forte empenho que a MO tem empregado na identificação dos materiais plásticos no produto, na embalagem e na operação. A MO relembra ainda que “100% das nossas embalagens de plástico serão reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis em 2025”. Uma meta que adotou para si mesma quando subscreveu o Pacto Português para os plásticos.

A MO pretende também que “um mínimo de 90% dos nossos materiais plásticos utilizados sejam recicláveis e que terminem a sua utilização dentro de portas”. Uma das estratégias a que a empresa portuguesa vai recorrer passa por “substituir gradualmente, até 2025, os sacos de plástico em loja”. Para já, “os sacos de plástico que têm vindo a ser utilizados são 100% recicláveis e incorporam 80% de plástico reciclado”.

A Mo aproveitou também o atual contexto de pandemia COVID-19 para desenvolver uma nova campanha associada à economia circular. A marca decidiu incentivar os seus clientes a trocarem a sua máscara MOxad-tech por uma nova por apenas 1 euro. Quem aderir a esta campanha especial fica com a certeza de que “todas as máscaras MOxad-tech recolhidas serão classificadas para lhes ser dada uma segunda vida útil”.

Artigo anteriorPapa Francisco já tem a sua própria trotinete elétrica
Próximo artigoFinerge ergue turbina com a maior capacidade em Portugal

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of