BIOS, a startup aproveita o desperdício energético dos edifícios e respetivas emissões de CO2 para produzir vegetais e legumes, alargou a sua rede de parceiros e conta agora com a Schneider e a Nimbus Research Center para melhorar e otimizar o projeto.

A parceria com a Schneider permitirá à equipa obter o melhor conhecimento e tecnologia do mercado relacionado com a monitorização e comunicação entre hardware/software e diferentes bases de dados.

Já a Nimbus Research Center, um centro de pesquisa e desenvolvimento na Irlanda, está a apoiar o desenvolvimento de uma base de dados, a qual irá centralizar todos os dados provenientes do edifício e dos seus sistemas de gestão, bem como dos dados provenientes da estufa e da sua operação.

“O passo seguinte será criar as métricas essenciais que nos ajudem a interpretar e analisar o seu funcionamento”, afirma Paulo Pereira, membro da equipa BIOS e especialista em projeto e operação de sistemas de agricultura vertical.

Objetivos da BIOS

Reduzir o desperdício energético dos edifícios e as emissões de carbono decorrentes do funcionamento dos mesmos, facilitar o acesso a produtos alimentares locais, saudáveis e sustentáveis em zonas urbanas e reduzir o desperdício alimentar nas cidades são os grandes objetivos da BIOS.

“Hoje em dia, a produção agrícola convencional não é praticada de um modo inteiramente sustentável e nem sempre se fala na qualidade dos alimentos que daí provêm. A nossa equipa acredita que pode integrar, com sucesso, sistemas de agricultura vertical em edifícios pois existe um potencial de recuperação/re-uso de energia para o cultivo de plantas, o que significa que, no futuro, poderemos produzir alimentos frescos com um alto valor nutritivo a custos acessíveis para a comunidade, trabalhando assim o impacto económico, social e ambiental”, refere Michael Parkes, fundador de BIOS.

a startup conta com o apoio da Fundação Gulbenkian e a sua validação científica está a ser realizada em parceria com o IST.

Além destes parceiros, a startup conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e a sua validação científica encontra-se a ser realizada em parceria com o Instituto Superior Técnico.

O projeto-piloto de aproveitamento energético para fins agrícolas está a ser desenvolvido em parceria com a NOVA SBE, que cedeu a zona técnica do seu campus. “Esta zona tem pouco uso e acesso a bastantes recursos. Para além das características do espaço, a parceria também inclui a otimização no uso da energia elétrica por parte do edifício, bem como da participação ativa dos alunos no desenvolvimento e operação da estufa”, salienta Paulo Pereira.

energético
Da esquerda para a direita: Michael Parkes e Paulo Pereira

Paulo Pereira acrescenta que “energia elétrica é, normalmente, o recurso usado de maneira menos eficiente, o que pode tornar um projeto do género pouco viável do ponto de vista económico”.

existe um potencial de recuperação de energia para o cultivo de plantas

Segundo explica este responsável, “vamos tentar obter respostas para a sua otimização através da aquisição e processamento dos dados, o que se poderá traduzir numa redução do consumo de energia por quilo de comida produzida ou na geração de energia no local que permita cobrir todas as necessidades de produção a baixo custo”.

Estima-se que a construção e operação do projeto possa acontecer já no primeiro semestre de 2021.

“É necessário agir agora se queremos encontrar soluções viáveis para a produção alimentar em ambiente urbano com o mínimo de impacto ambiental e mais interessantes para o produtor e consumidor, de modo a ajudar a criar resiliência na comunidade e promover estilos de vida mais saudáveis”, refere Paulo Pereira.

“A capacidade de produção diária pode vir a andar à volta de 50 alfaces”, adianta, por seu lado, Michael Parkes.

Leia também aqui:

Startup portuguesa promete diminuir CO2

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of