Break Free From Plastic: as marcas que mais lixo plástico produziram em 2020

1
973

A Coca-Cola, a PepsiCo e a Nestlé têm sido acusadas de não fazerem progressos relativamente ao lixo plástico que produzem. Uma acusação que surge após estas mesmas marcas terem sido nomeadas, por três anos consecutivos, as maiores poluidoras de plástico do mundo.

Recentemente a Break Free From Plastic decidiu comparar os resultados das suas auditorias anuais de 2018, 2019 e 2020. Fundamentou assim a ideia de que a Coca-Cola, a PepsiCo e a Nestlé não estão a fazer progressos relativamente ao lixo plástico que produzem.

Através do gráfico conseguimos perceber que, em 2018, o logótipo da Coca-Cola foi encontrado em mais de 9 mil embalagens plásticas. No ano a seguir esse valor subiu para mais de 11 mil resíduos plásticos. Já em 2020 a Break Free From Plastic identificou a marca Coca-Cola em mais de 13 mil peças de lixo plástico.

Em 2018 a Break Free From Plastic alegou ter encontrado mais de 5 mil embalagens plásticas pertencentes à PepsiCo. Em 2019, a marca estava de parabéns porque a quantidade de peças de lixo plástico a que estava associada diminuiu. As 5 mil de 2018 transformaram-se em cerca de 3 mil no ano seguinte. Contudo, em 2020 voltou a verificar-se um crescimento da quantidade de embalagens plásticas com o logótipo desta empresa. De cerca de 3 mil peças de lixo plástico, registadas em 2019, passou-se para mais de 5 mil em 2020.

No top 3 dos maiores poluidores plásticos encontramos também a Nestlé. Em 2018 o logótipo deste grupo foi encontrado em quase 3 mil embalagens plásticas. Já em 2019 a marca Nestlé foi encontrada em mais de 4 mil peças de lixo plásticos. Um valor que ultrapassou os 8 mil em 2020.

Break Free From Plastic

O que há a destacar da auditoria de 2020?

No relatório da “The Brand Audit 2020” foi esclarecido que 15 mil voluntários da Break Free From Plastic recolheram 346,494 peças de lixo plástico em redor de todo o mundo. Segundo a Break Free From Plastic, responsável pela recolha e análise desses resíduos, “dessas milhares de peças, 63% tinham estampado o logótipo de uma marca”.

A Break Free From Plastic fez ainda questão de sublinhar que “a quantidade de plástico desperdiçado pela Coca-Cola é superior à da PepsiCo e da Nestlé somadas”. Para ser mais preciso, “a marca Coca-Cola foi encontrada em 13.834 embalagens plásticas, a Nestlé em 8.633 e a PepsiCo em 5.155”.

A última auditoria revelou ainda que os resíduos mais frequentemente encontrados são embalagens plásticas de uso único, associadas à venda de pequenos volumes de produtos. De entre os quais: ketchup, café e champô. A seguir, as peças de lixo plástico mais comuns são as garrafas plásticas.

Simon Mbata é coordenador nacional da South African Waste Pickers Association. Segundo este, “a maioria do plástico que encontramos não é reciclável”. Mbata acrescenta ainda que o seu grupo encontra este tipo de resíduos “em todo o lado”.

O coordenador também frisou que “quando estes resíduos são queimados estamos a contaminar o solo”. Por isso mesmo, “se algo não é reciclável também não deve ser produzido”, defende.

Break Free From Plastic

Coca-Cola na mira dos ativistas ambientais

O ano 2020 estava ainda no início quando a Coca-Cola foi alvo de críticas por parte de diversos ativistas ambientais. As críticas foram motivadas, sobretudo, pelo facto de a marca ter anunciado que não pretende deixar de apresentar os seus produtos em embalagens plásticas. Do ponto de vista da empresa, “as nossas garrafas em plástico já são bastante populares entre os consumidores”.

Em março a PepsiCo, a Nestlé, a Unilever e a Coca-Cola foram responsabilizadas por meio milhão de toneladas de poluição plástica. Valores anuais e associados a seis países em desenvolvimento, sublinha a ONG Tearfund.

“As corporações mais poluidoras do mundo afirmam estar a trabalhar arduamente para resolver a poluição por resíduos plásticos”, começa por referir Emma Priestland. No entanto, “estas continuam a produzir embalagens feitas à base de plástico de uso único”, alega a coordenadora da campanha global da Break Free From Plastic.

A profissional refere ainda que “a única forma de parar a crescente e global maré de lixo plástico é extinguindo a produção do mesmo”. Ou seja, “acabar com o plástico de uso único e, em alternativa, privilegiar sistemas de reutilização”. Segundo Priestland “a Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé deviam liderar a busca por soluções reais para reinventarem a forma como entregam os seus produtos”.

Marcas defendem-se das acusações

Apesar das criticas, a Coca-Cola rejeita a ideia de que não tem apresentado qualquer progresso relativamente aos resíduos plásticos. Segundo a marca, esta uniu-se a outras marcas no sentido de “lidar com o desperdício de embalagens”.

A Coca-Cola diz-se ainda “comprometida em recuperar todas as garrafas até 2030”. Com isto a empresa pretende que “nenhuma embalagem acabe como lixo ou nos oceanos”. Desta forma “o plástico pode ser reciclado e transformado em novas garrafas”.  Para já, “garrafas feitas de plástico 100% reciclado estão disponíveis em 18 mercados em redor do mundo”. Uma realidade “em contínuo crescimento”, afirma o porta-voz da Coca-Cola.

Também a PepsiCo decidiu contestar as acusações que lhe foram dirigidas. O representante da companhia garantiu que esta “tem atuado no sentido de resolver a questão das suas embalagens”. Como? “Através de parcerias, investimentos e inovação”, explica o porta-voz da PepsiCo.

A marca diz também ter metas bem definidas relativamente ao uso de plástico. Incluindo “reduzir 35% do plástico virgem empregue no nosso negócio de bebidas até 2025″, avança o representante da PepsiCo.

A PepsiCo tem também apostado em crescente reabastecimento e reutilização, “através de negócios como o SodaStream e o SodaStream Professional”.  Desta forma o grupo acredita ser possível evitar 67 bilhões de garrafas plásticas descartáveis, ​​até 2025.

A companhia estadunidense acrescentou ainda que, desde 2018, já investiu mais de 53 milhões de euros em parcerias. Uma aposta feita com o objetivo de “aumentar o número de infraestruturas de reciclagem e recolha”.

Break Free From Plastic

Nestlé admite que é preciso fazer mais

Tal como a Coca-Cola e a PepsiCo, a Nestlé também refutou a ideia de que não tem feito progresso ao nível do desperdício de embalagens plásticas descartáveis. “Temos protagonizado significativos progressos no que às embalagens sustentáveis diz respeito”, assegura a Nestlé.

Apesar disso, o grupo reconhece-se que “é preciso fazer mais”. Por isso mesmo, “a Nestlé está a intensificar as suas ações para conseguir que 100% das suas embalagens sejam recicláveis ou reutilizáveis”. Uma meta que a marca pretende atingir até 2025.

No mesmo período, a companhia pretende reduzir em 1/3 a quantidade de plástico virgem que usa. Segundo garante a Nestlé, “87% do total das nossas embalagens já são recicláveis ou reutilizáveis”. No entanto apenas 66% das embalagens plásticas da Nestlé são recicláveis ou reutilizáveis.

Biel Calderon / Greenpeace

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
trackback

[…] Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé, produzem toneladas de embalagens plásticas todos os anos. Segundo as pesquisas anuais feitas pelo grupo Break Free from Plastic, as três empresas citadas formam o top 3 das que […]