O Daniel Galvoeira tem 40 anos e é Auditor Interno no hospital de Évora.

Quando passou a utilizar um híbrido plug-in e qual o modelo?

Foi em setembro de 2015, um Mitsubishi Outlander PHEV.

A escolha foi sua ou tratou-se de uma decisão da empresa?

Foi escolha minha. Combinava melhor com a minha situação pessoal e a fraca rede de carregamento de veículos eléctricos naquela altura.

Qual o automóvel que tinha antes de começar a utilizar este híbrido plug-in?

Tinha um Nissan Leaf Mk1 de 24 kWh e um Sköda Octavia 1.9 TDI.

Em 2015, Daniel Galvoeira passou de um Nissan Leaf 24 kWh para um Mitsubishi Outlander PHEV.

Quais as vantagens que este tipo de veículo apresenta?

A grande vantagem é poder andar em cidade e trajectos curtos sem poluir, sem barulho, e com grande poupança de combustível. Mesmo nas viagens longas é um veículo que faz médias entre 6,5 a 7 lts/100km. É o caso do trajeto entre Évora e Coimbra, por exemplo. Se for fora de AE as médias ainda são melhores. Tem também o facto de que com 3h30 de carga num posto normal (PCN) fica capaz de fazer mais cerca de 40kms em modo elétrico.

Carrega a bateria do seu PHEV com regularidade? Se sim, diga-nos como e onde o faz.

Em casa, através do cabo fornecido com o veículo e na via pública, também com o cabo fornecido com o veículo. Carregava cerca de três por semana no inverno e duas no verão.

Semanalmente também era usual proceder à uma carga rápida. Com os preços atuais praticados nos PCR não compensa.

Qual o consumo de gasolina/gasóleo que faz habitualmente neste veículo?

Entre 6,5 a 7 l/100 km. Na viatura a gasóleo fazia 6,5 l/100km. Mas há que ter em conta o maior peso deste veículo, bem como a sua menor aerodinâmica face ao Sköda Octavia.

Quais são as desvantagens que os PHEV apresentam face a outro tipo de veículos, como os híbridos convencionais e os elétricos?

Quanto aos híbridos convencionais (não Plug-in) não vejo desvantagens. Mas quanto aos eléctricos que começam a chegar ao mercado e ao seu preço, na minha opinião, o eléctrico é mais vantajoso.

Continua a ter/utilizar um PHEV ou tem entretanto um automóvel de outro tipo? Qual e porquê?

Actualmente estou a tentar vender o meu Outlander PHEV. Adquiri um KIA e-Niro totalmente eléctrico e que satisfaz todas as minhas necessidades de deslocações. Desde que o comprei, no início de setembro de 2020, já fiz mais de 7000 quilómetros e ainda só usei por uma vez um PCR.

O que motivou a troca foi a poupança anual de 2000 euros em gasolina, já que faço 30.000 quilómetros anualmente.

Qual será o seu próximo automóvel?

É o KIA e-Niro.

Pensa que faz sentido classificar os PHEV como veículos que prejudicam o ambiente? Qual o papel que podem ter na transição energética?

São económicos para quem saiba retirar todas as vantagens do seu uso bem como para quem realize viagens diárias para o trabalho, de curta/média distância. Mas distâncias mais longas não é tão amigo do ambiente, sendo igual a um veículo a combustão.

Têm um papel importante para iniciação nos veículos eléctricos de pessoas mais céticas face à capacidade e à autonomia de um veículo totalmente eléctrico.

Mas com o reforço da rede pública de carregamento e o aparecimento de mais automóveis e de mais marcas com baterias maiores, irá fazer com que a médio prazo se passe directamente para um veículo elétrico em vez de um veículo PHEV.

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of