No dia 20 de julho, ao agradecer a atribuição do Prémio Gulbenkian para a Humanidade, Greta Thunberg revelou de imediato que iria aplicar o montante do prémio, no valor de um milhão de euros, em projetos de combate à crise climática e ecológica.

Metade desse valor foi logo entregue à Fundação Thunberg, ficando acordado que o restante seria entregue numa cerimónia a realizar em Lisboa, o que as circunstâncias atuais devido à pandemia ainda não permitiram.

Greta Thunberg foi escolhida pelo Grande Júri do Prémio Gulbenkian para a Humanidade, presidido por Jorge Sampaio, entre 136 nomeações provenientes de 46 países.

Neste momento, a Fundação Greta Thunberg já doou aproximadamente meio milhão de euros a uma dezena de organizações não-governamentais que se dedicam a causas ambientais e humanitárias.

SOS Amazónia

A SOS Amazonia campaign (da Fridays for Future Brazil) e o Stop Ecocide Foundation, que se têm destacado, respetivamente no combate à COVID-19 na Amazónia e no esforço para tornar o ecocídio um crime internacional, foram as duas primeiras organizações apoiadas pela Fundação Greta Thunberg. Cada uma delas foi contemplada com um apoio de 100 mil euros.

Apoios a Índia e Bangladesh

Seguiu-se um novo pacote de doações no valor total de 100 mil euros, desta vez tendo como destinatárias as vítimas das inundações na Índia e no Bangladesh.

As nomeações para a 2ª edição do Prémio Gulbenkian para a Humanidade começam já estão abertas e decorrem até fevereiro de 2021.

Os apoios foram dirigidos a organizações que, no terreno, se esforçam por providenciar abrigo, roupas, comida e cuidados médicos aos desalojados das regiões afetadas: a BRAC Bangladesh, a Goonj, e a Action Aid India e a Action Aid Bangladesh.

O desastre ecológico provocado pelo derrame de petróleo nas Maurícias, este verão, mereceu também a atenção da Fundação Greta Thunberg. Em resposta a um pedido de ajuda da Fridays For Future daquela região, a Fundação anunciou o investimento de 10 mil euros numa campanha de crowdfunding entretanto lançada por aquela organização com o propósito de adquirir equipamento capaz de remover o óleo da costa.

Movimento da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

A somar a estas causas, a Fundação Thunberg tornou pública a doação de um montante de 150 mil euros, repartido, em parte iguais, por três organizações não-governamentais que prestam apoio às vítimas das alterações climáticas em África. São elas a Red Cross and Red Crescent Movement (Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho), organização que dá suporte a comunidades vítimas de catástrofes em todo o continente africano (inundações, secas, insegurança alimentar); a Oil Change International, que apoia projetos de energias renováveis em todo o continente africano; e, finalmente, a Solar Sister, uma estrutura que dá apoio e formação empresarial a uma rede de mais de 5.000 mulheres empreendedoras da Tanzânia e Nigéria, para a criação de empresas limpas e movidas a energia solar.

Este Prémio vai de encontro a uma das missões centrais da Fundação Calouste Gulbenkian: apoiar o desenvolvimento sustentável, promovendo ativamente o bem-estar e a qualidade de vida de grupos vulneráveis da população, em equilíbrio com a proteção ambiental e a prosperidade económica.

Artigo anteriorComerciais elétricos do Grupo PSA eleitos “International Van Of The Year 2021”
Próximo artigoLG apresenta robot autónomo com luz UV de desinfeção

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of