João Guerra
João Guerra
Marketing & Communication Director da Helexia Portugal

A sensorização de equipamentos, processamento, recolha e análise de dados, são procedimentos necessários para identificar as ineficiências e, consequentemente, as medidas necessárias para reduzir consumos, ganhando competitividade sem no entanto perder produtividade e conforto.

A digitalização também é indispensável na energia

0
955

É muito comum ouvirmos que a digitalização da economia e o desenvolvimento sustentável são estratégias que têm de ser seguidas e  que são uma enorme oportunidade. Estes dois desígnios têm muitos pontos de convergência e é fácil pensar em exemplos em que aparecem associados.

Energia solar… digital?

Na produção de energia solar, que é das renováveis mais utilizadas na Europa, devido ao seu preço competitivo e ainda com muito potencial para ser explorado, a digitalização tem um papel muito importante.

A utilização de drones em processos de manutenção, pode reduzir o custo em 50%, assim como o tempo da inspeção manual em 90%. Além disso, podem gerir e monitorizar o ciclo de vida das instalações, coletando dados e por meio da  integração entre sistemas, os dados podem ser analisados em tempo real, desencadeando estimativas de produção e processos de manutenção preventiva. A própria análise de dados pode ajudar a implementar e desenhar futuras centrais elétricas.

Esta integração e análise de dados, vai tornar as redes descentralizadas mais inteligentes, permitindo a regulação de frequência, ajustando a energia de forma eficiente, dependendo do consumo e da produção em tempo real. É como ter barragens virtuais com maior capacidade de tempo de resposta. Prevê-se que o 5G seja a primeira tecnologia global a permitir que a imensa quantidade de dados seja utilizada de forma eficaz.

Análise dos parâmetros de produção e consumo

Em processos de eficiência energética que atuam na componente da economia de energia, a digitalização é incontornável. Para ser mais eficiente em processos produtivos ou edifícios/instalações é obrigatório perceber de que forma a energia é utilizada, entenda-se por energia, todo o mix de eletricidade, agua, gás.

A sensorização de equipamentos, processamento, recolha e análise de dados, são procedimentos necessários para identificar as ineficiências e, consequentemente, as medidas necessárias para reduzir consumos, ganhando competitividade sem no entanto perder produtividade e conforto. Com implementação de medidas  de eficiência energética , é igualmente importante monitorizar e acompanhar os benefícios obtidos.

A sensorização de equipamentos também permite controlar dispositivos remotamente e automatizar a otimização de desempenho energético de acordo com tresholds, alertas e desvios das baselines estabelecidas.

Se quisermos aprofundar ainda mais a  digitalização, podemos entrar em modelos de gestão de energia em que algoritmos sofisticados, recorrem a inteligência artificial estabelecendo a ligação entre consumo e múltiplas variáveis como, ocupação do edifício, clima externo , nível de atividade dos servidores do data center, etc, para ajuste automático das condições ideais.

Uma visão e aproximação digital à energia permite pois ganhos de sustentabilidade e competitividade. As empresas que não conseguirem integrar a digitalização vão ficar fora da corrida para a primeira linha de produção (sustentável).

Estou certo, que teremos a energia certa para abraçar estas enormes oportunidades.

Artigo anteriorKart elétrico com ronco de Lamborghini ao preço de… dois telemóveis!
Próximo artigo“É preciso estimular ideias de negócio que fomentem economia azul”, diz cientista

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of