No âmbito da Lisboa Capital Verde e do programa de Zona de Emissões Reduzidas (ZER) da capital, o eixo da Avenida Baixa-Chiado vai sofrer uma revolução.

Nesta zona, já a partir de junho, só os veículos de moradores, lojistas, transportes públicos, motociclos e carros elétricos poderão circular.

E no quadro de um projeto mais ambicioso que pretende dar melhor qualidade de vida aos lisboetas prevê-se ainda em diversos locais neste referido eixo a supressão de faixas de rodagem, a criação de mais ciclovias (+5,7 km de extensão), bem como de ruas pedonais (mais 4,5 hectares de área pedonal).

“Lisboa é feita de escolhas. A nossa é menos carros, prioridade às pessoas e ao transporte público, e melhor qualidade do ar. Chegou o momento de Lisboa parar, inspirar e avançar. Vai nascer a nova ZER Avenida Baixa Chiado” – Fernando Medina

A lógica é alternar a fisionomia desta zona histórica a favor dos peões e dos transportes coletivos, o que implicará restringir fortemente o trânsito.

Compromissos assumidos

As alterações resultam do compromisso de redução de 60% nas emissões de CO2 até 2030, e de neutralidade carbónica até 2050.

3 fases de aplicação da restrição de trânsito no eixo Avenida Baixa-Chiado

Maio

Registo de veículos autorizados

Junho e Julho

Início do funcionamento da primeira fase da ZER Avenida Baixa Chiado, com controlo por parte dos agentes da Polícia Municipal e da EMEL, com caráter informativo e de sensibilização.

Agosto

Controlo de acessos e fiscalização plena

 

Para se poder aceder será necessário um destes três dísticos. Quem não os tiver, não pode entrar nesta ZER todos os dias, entre as 06.30h e a 00.00h. Por outras palavras, quem não tiver um destes três dísticos, só pode circular nas ruas da nova ZER entre as 00:01h e as 06.29h

Fernando Medina, Presidente da Câmara de Lisboa, não tem dúvidas: este “é um dos projetos mais marcantes deste mandato”, sendo ditado pela necessidade de reduzir a poluição e o congestionamento.

A estimada redução de 40.000 veículos na ZER Baixa-Chiado corresponderá a menos 60.000 toneladas de CO2 emitidas por ano, aponta a autarquia.

Av. da Liberdade

O que vai mudar
• Redução em 40% dos veículos que acedem à Baixa, com eliminação do tráfego de atravessamento e segmentação dos veículos autorizados a partir do Rossio
• Redução da utilização da Avenida como eixo de saída da cidade
• Reposição do modelo original de circulação ascendente/descendente nas laterais

• Alargamento e recuperação dos passeios e pavimentos nas vias laterais
• Eliminação de mais de 350 lugares de estacionamento de rotação à superfície (+ de 60% dos atualmente existentes)
• Introdução de ciclovias segregadas a ligar o Eixo Central à zona ribeirinha
• Aumento dos lugares específicos para cargas / descargas e tomada de passageiros nas laterais
• Redução de uma via ascendente no corredor central entre os Restauradores e a Barata Salgueiro.
• Criação do Passeio Público entre os Restauradores e a Rua das Pretas/Praça da Alegria

Av. Almirante Reis

O que vai mudar

• Introdução de ciclovia bidirecional no acesso à Baixa, entre a Praça do Chile e o Martim Moniz (que ligará o Areeiro à Zona Ribeirinha via Rua dos Fanqueiros e Rua do Ouro)
• Requalificação geral da Av. Almirante Reis, através de programa específico a desenvolver com os diversos agentes, nomeadamente do comércio local
• Requalificação da Praça do Martim Moniz e da Praça da Figueira com processo de participação pública

Baixa-Chiado

O que vai mudar

• Acesso condicionado exclusivamente a veículos autorizados entre as 6:30h/0:00h
• Acesso garantido a moradores, comerciantes, cuidadores, detentores de avença de estacionamento e garagens, veículos elétricos e motociclos
• Eliminação global de 250 lugares de estacionamento à superfície, nomeadamente na Rua dos Fanqueiros e Madalena
• Atribuição do estacionamento à superfície em exclusivo a residentes e cuidadores (aumento de 50% de lugares para residentes) e melhoria de acesso a parques
• Ordenamento de cargas e descargas, restringindo horários e locais de paragem, privilegiando período noturno
• Criação de hub-logístico de suporte à zona da Baixa, a desenvolver em parceria com os agentes económicos locais
• Qualificação e pedonalização de vários espaços da zona
• Reforço do transporte público
• Criação de ligações cicláveis entre o Eixo Central e a Zona Ribeirinha: Av. da Liberdade – Rua do Ouro e Av. Almirante Reis – Rua dos Fanqueiros
• Pedonalização plena da Rua Nova do Almada (acima do Largo da Boa Hora), da Rua Garrett e do Largo do Chiado
• Melhoria do espaço pedonal na Rua da Misericórdia, Largo Camões e Calhariz
• Melhoria das condições de circulação da Carris na Rua dos Fanqueiros

Envolvente Príncipe Real-São Bento

O que vai mudar

•Impedimento do atravessamento da colina, com criação de zonas reservadas ao peão e transporte coletivo na Rua da Misericórdia e Largo Camões
• Introdução de Corredor BUS na Rua de São Bento
• Eliminação do TOP 3 de tempos perdidos da Carris, nomeadamente Rua de São Paulo, Rua da Escola Politécnica e Rua dos Fanqueiros (na ZER) com mais de 350 interrupções de serviço em 2019
• Aumento do estacionamento exclusivo para residentes e bolsas específicas

 

Para reforçar a sustentabilidade da ZER, haverá uma nova carreira 100% elétrica da Carris, com autocarros a passar a cada três minutos, entre o Marquês de Pombal e a Praça do Comércio.

 

Artigo anteriorStarbucks quer dar mais ao planeta do que aquilo que consome
Próximo artigoFundos europeus devem integrar critérios de sustentabilidade, pedem ecologistas

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of