O Oceanário de Lisboa e a Fundação Oceano Azul apuraram os vencedores da 2ª edição do “Fundo para a Conservação dos Oceanos”, que este ano reforçou o valor a atribuir em 50 mil euros, passando, assim, o prémio de 100 para 150 mil euros.

2ª edição do “Fundo para a Conservação dos Oceanos”

Sob o tema “Espécies Marinhas Ameaçadas. Da Ciência para a Consciência”, nesta edição foram avaliados projetos de conservação dedicados a espécies marinhas classificadas como “Criticamente em Perigo”, “Em Perigo” e “Vulnerável”, segundo a chamada “Lista Vermelha” da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN Red List of Threatened Species).

Um jurí internacional constituído por especialistas na área da conservação, selecionou como vencedores dois projetos:

“Whale Tales Project”
Proposto pela Arditi – Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação, este projeto “Whale Tales Project” receberá um financiamento de 50 mil euros. Dedica-se ao estudo do cachalote (Physeter macrocephalus), cujo estatuto de conservação é “Vulnerável”. O foco do “Whale Tales” é no arquipelago da Madeira, área onde existe pouca informação sobre a utilização de habitat por esta espécie.

“Eel Trek”
Desenvolvido pela Fundação Gaspar Frutuoso, o projeto “Eel Trek” receberá um financiamento de 100 mil euros. Pretende estudar a migração da enguia-europeia (Anguilla anguilla), classificada como “Criticamente em Perigo”, e que é fundamental para a sua conservação uma vez que o seu ciclo de vida é complexo, entre o oceano e os rios.

Para João Falcato, CEO do Oceanário de Lisboa e administrador da Fundação Oceano Azul, “o financiamento de 150 mil euros do Fundo para a Conservação dos Oceanos é um apoio relevante a projetos que se dedicam à conservação de uma espécie em particular, principalmente quando se sabe à partida que as suas populações estão ameaçadas. O nosso compromisso para o futuro, é a conservação do oceano sem nunca esquecer as espécies que são necessárias proteger”.

Artigo anterior“Portugueses terão de alterar hábitos” por causa do ambiente, diz Governo
Próximo artigoLego deixou de brincar às energias de origem fóssil

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of